Distúrbios alimentares em adolescentes




As refeições familiares podem ser uma das formas mais fáceis para evitar que adolescentes desenvolvam distúrbios alimentares e recorram a medidas extremas para controlar o próprio peso, segundo uma pesquisa da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, publicada na revista especializada Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine.

Segundo o estudo, os distúrbios alimentares – que incluem comer desordenadamente e provocar o vómito para perder peso – tornam-se mais comuns na passagem da adolescência para a vida adulta, e as refeições familiares podem ajudar a evitá-los.

“Distúrbios alimentares estão associados a uma série de consequências comportamentais, físicas e psicológicas danosas, que incluem uma dieta de qualidade inferior, ganho de peso, obesidade, sintomas de depressão e os próprios distúrbios”, dizem os autores do artigo.

“Por isso, é importante identificar estratégias para evitar esses distúrbios alimentares.”

Refeições frequentes

A médica e nutricionista Dianne Neumark-Sztainer e sua equipe estudaram 2.516 adolescentes em 31 escolas do Estado de Minnesota.

As participantes completaram dois questionários – um na escola, em 1999, e outro pelo correio, em 2004 – respondendo perguntas sobre com que frequência tinham refeições familiares, o seu índice de massa corporal, relação com a família e distúrbios alimentares.

Entre as adolescentes, aquelas que compartilhavam pelo menos cinco refeições por semana com o resto da família em 1999 tinham tendência significativamente menor a reportar o uso de medidas extremas para controlar seu peso em 2004, independentemente de suas características sócio-demográficas, índice de massa corporal ou relação com a família.

Entre os meninos, no entanto, as refeições familiares não tinham influência sobre os distúrbios alimentares cinco anos depois. Os autores do estudo, no entanto, não conseguiram identificar o porquê da diferença.

“As refeições familiares podem oferecer mais benefícios às meninas porque elas podem ser mais sensíveis, e provavelmente mais influenciáveis, pelos relacionamentos familiares e inter-pessoais do que os adolescentes do sexo masculino”, dizem os autores.

Eles também acreditam que elas, provavelmente, estariam mais envolvidas na preparação dos alimentos, aprendendo a preparar uma refeição balanceada.

Os distúrbios alimentares, no entanto, são muito mais comuns entre mulheres do que homens, e com as conclusões deste e de outros estudos, os autores recomendam que as autoridades encontrem meios de promover as refeições familiares como forma de reduzir o impacto dos distúrbios alimentares.

Um comentário

  1. Sou pai de uma criança de 7 anos de idade e desde os 3/4 anos rejeitou a alimentação por completo, sendo a base da alimentação, leite, yogurt, cereais, pão (sem nada), batatas fritas, e fruta. Como devem calcular a luta tem sido imensa para ele comer outros alimentos mas recusa-se a provar dizendo que não gosta do sabor ou do cheiro. Já o levamos a pedopsiquiatria e a nutrecionistas para conseguir que ele decida a provar os alimentos mas tem sido em vão.Não sei mais o que fazer, tenho consciencia que não tem uma nutrição eficiente, embora ele tenha peso e altura para a idade. Gostava que me aconselhassem o que devo fazer se têm conhecimento de casos do genero. Ultimamente temos forçado ele a comer sopa, mas é uma verdadeira batalha para lhe conseguir introduzir 5/6 colheres na boca e mesmo essas são seguidas por vomitos. Por favor ajudem-me

    Fernando Rodrigues

Deixar uma resposta