Segundo um estudo o consumo de álcool aumenta o risco do cancro da mama




O consumo de álcool, mesmo que em doses moderadas, pode aumentar os riscos das mulheres desenvolverem o tipo mais comum de cancro da mama, sugere um estudo conduzido na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.

Apresentada no Encontro Anual da Associação Americana para Pesquisa do cancro, a pesquisa indica que o álcool contribui para o desenvolvimento de tumores positivos do tipo receptor de estrogénio e progesterona (ER+/PR+) – responsável por 70% dos casos de cancro da mama.

Segundo a pesquisa, o álcool pode aumentar os níveis de estrogénio, que estimulam o cancro sensível aos hormônios.

O estudo sugere que os riscos de desenvolver a doença aumentam conforme a quantidade de álcool consumida. De acordo com os resultados, mulheres que bebem de forma moderada, ou seja, aquelas que bebem uma ou duas doses diárias de álcool, aumentam em 32% as chances de desenvolver os tumores, enquanto aquelas que bebem menos de uma dose diária aumentam os riscos em 7%.

Já as mulheres que consomem três ou mais doses diárias podem aumentar em até 51% os riscos de desenvolver a doença.

“Os resultados sugerem que a mulher deve avaliar o consumo de álcool juntamente com outros factores de risco já conhecidos, como a terapia de reposição hormonal”, disse Jasmine Lew, que liderou a pesquisa.

Incidência




Para chegar aos resultados, os investigadores fizeram uma revisão de dados recolhidos por um estudo realizado entre 1995 e 2002. A pesquisa analisou informações sobre o consumo de álcool de cerca de 185 mil mulheres na fase pós-menopausa durante um período de sete anos.

Os investigadores identificaram a incidência do cancro da mama entre as mulheres que participaram da pesquisa e observaram 5,4 mil casos, dos quais 2,4 mil seriam do cancro sensível aos hormônios (ER+/PR+). Finalmente, os cientistas compararam o padrão de consumo de álcool com os casos da doença para chegar aos resultados da pesquisa.

Segundo Lew, apesar da ampla análise sobre os tumores ER+/PR+, ainda não é possível afirmar se o consumo de álcool influencia também o desenvolvimento de outros tipos de cancro da mama.

Dados da ONG Cancer Research UK, entidade beneficente britânica de fomento a pesquisas sobre cancro, mais de 44 mil mulheres são diagnosticadas com cancro da mama na Grã-Bretanha todos os anos, mais de 100 por dia.

Deixar uma resposta